Sociobiologia>AS VERDADEIRAS CAUSAS ESCONDIDAS DO CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO

Digite sua dúvida:

 

AS VERDADEIRAS CAUSAS ESCONDIDAS DO CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO

Professor Mario Giudicelli - BRASIL e USA

Consultor

 

Release para Imprensa

http://www.comunique-se.com.br/deliverer_homolog/site/preview.asp?id=43385

 

 

AS VERDADEIRAS CAUSAS ESCONDIDAS

  DO CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO

 

                                                    Por Mário Giudicelli

                                                    Janeiro de 2009

 

Um dos meus diletos professores no Curso de\Mestrado de Sociobiologia,  que realizei nos Estados Unidos, Professor Carl  Sagan,  sempre repetia essa famosa observação que fornece, com frequência, a solução para a maioria de nossos problemas ou conflitos com outras pessoas ou organizações, sejam elas públicas ou privadas; ou entre governos e grupos humanos mundiais, conforme é o caso atual dos conflitos no Oriente Médio.

 

Dizia o meu querido Carl Sagan : “As controvérsias raramente são solucionadas, porque as verdadeiras causas do conflito nunca são discutidas abertamente. Se  essas verdadeiras causas fossem discutidas, o problema teria  tendência imediata de ser solucionado”. Ora, isso é precisamente o que está ocorrendo hoje, dia 4 de janeiro de 2009 ( como sempre tem ocorrido há  dezenas e dezenas de anos ) na idiótica briga brutal e selvagem entre os infelizes povos que vivem naquela região conturbada do Oriente Médio.

 

O que pretendo fazer, nas linhas abaixo, é demonstrar a veracidade dessa informação, embora saiba que o próprio leitor, que me acompanha agora no pensamento e descrição da realidade, é também  parte dessa controvérsia, pois ele está infectado igualmente com o mesmo vírus da discórdia entre tais habitantes enlouquecidos;   pode ser brasileiro-judeu ou árabe-brasileiro, e assim por diante. Explico-me melhor, dando inicialmente um pouco de história dessa parte distante do mundo. Estou em condições de fazê-lo, porque, entre outras qualificações especiais que tenho, vivi 5 anos no Cairo, na faixa de Ghazza; penetrei no estado de Israel e nunca tomei partido, e, sim,  me dediquei, unicamente, como um juiz de futebol, a analisar as jogadas e ponta-pé dos seus participantes.

 

RAZÃO  NO.  1 -  Em primeiro lugar, antes de comentarmos o odiento fanatismo religioso,  que é a causa aparente do conflito entre árabes, cristãos e judeus, temos que  abrir   mais claramente  a controvérsia,  tocando naquilo que é a principal motivação do ódio e conflito revelados:. CADA UM DOS GOVERNOS QUER CONQUISTAR AS TERRAS PARA SI E PARA SUA GENTE; com o agravante que, por razões estupidamente religiosas, eles acrescentam a tais vontades de dominação territorial um misticismo completamente irracional, pois atribuem a tais terrenos condições ligadas a emoções religiosas de alta sensibilidade ( que no caso, por exemplo,  das disputas pelas terras no Amazonas  não existem, pois todos os imigrantes para aquelas regiões, salvo os nativos locais, são gente de fora, brancos).

 

RAZÃO NO. 2  -  Historicamente, tudo parece indicar que a vida  como a conhecemos hoje, isto é, as populações, os inventos,  a educação, o progresso, as invasões, tudo começou e ocorreu  naquela área do Oriente Médio. Os grandes impérios, como o Império Romano, por exemplo (não é nem preciso citar outros),  dominaram aquela região, por centenas de anos. O mesmo ocorreu com os variados povos egípcios e tudo isso porque, diferentemente, de uma Europa congelada no inverno, o clima  daquela região é extraordinariamente mais agradável e muito mais produtivo. Assim, para simplificar,  o Oriente Médio constituiu o começo da história conhecida.

 

RAZÃO  NO. 3  -  Dito isso, inicia-se então o verdadeiro conflito, embora conforme observei, a verdadeira causa da controvérsia permaneça  fechada e não discutida , isto é  o fanatismo religioso.  E ai soma-se uma grande quantidade de   subfatores igualmente  escondidos Vejamos, então, o que ocorre . Temos de saída  a circunstância de que os líderes dominantes, em primeiro lugar, se enrolam na   bandeira emocional de sua religião e de seus companheiros subordinados,  obtendo assim um completo apoio de suas massas, ao mesmo tempo que parecem, a seus inimigos, completos idiotas, pois  dão com a cabeça numa parede designada como  conversando com seu imaginário Deus. O mesmo fanatismo ocorre com os seguidores cristãos, que tratam com desprezo seus irmãos árabes muçulmanos, que, igualmente,  batem com sua cabeça contra o chão em suas mesquitas em nome de um Deus impessoal. E ainda por cima, pairando com certo ar arrogante e representativo de uma religião supostamente  “mais avançada”, temos uma mistura curiosa de um cristianismo discretamente católico, mais para atender aos  visitantes turistas estrangeiros, com  uma versão tipicamente local de um  diferente  cristianismo ortodoxo, resultado de um tola briga centenas de anos anteriormente entre líderes do Vaticano em Roma;

 

RAZÃO NO. 4  - Por razões  extremamente longas e  de um certo modo confusas ocorridas  durante a I Guerra Mundial, que tentarei sumariar aqui com umas poucas frases, o governo britânico prometeu, com propósitos políticos aos lideres religiosos israelitas conceder a” terra prometida” (naturalmente  a região onde hoje se acha Israel) sem dar muita importância aos então governos árabes muçulmanos locais que também almejavam manter o mesmo território para si. E ai  nasce, então, a confusão, isto é,  o roubo de terras de um grupo pelo outro e os vários fanatismos  religiosos envolvendo as partes em conflito.

 

O QUE FAZER PORTANTO ?

 

Permita o leitor,  antes de eu apresentar uma solução prática para o conflito, mas obviamente inaceitável para esse mesmo leitor, pois ele,  também, como disse, está infectado pelo vírus de uma dessas religiões, mostrar uma solução paralela que demonstra mais claramente que não há inocentes nem menos culpados. pois somos todos completamente culpados já que nenhum de nós  tem a razão emocional do nosso lado.

 

Suponha, por exemplo, que ocorreu um crime de morte em Copacabana. onde sou o investigador principal. Assim, mando meus homens para o local do crime. Algumas horas depois quatro desses homens retornam e me informam  que  não foi um homem, mas sim uma mulher. O outro me diz que foi uma criança de 15 anos. O terceiro  que o crime não ocorreu em Copacabana.  mas em São Paulo.. Em outras palavras, cada investigador me deu uma versão completamente diferente das dos demais colegas E que farei eu então  Demitirei todos como incompetentes.

 

Pois essa é exatamente a única solução Não posso aceitar a versão da Sra.Ministra  do Sr. George Bush, porque, ela própria, pertence a um governo direitista, que pensa exclusivamente nos interesses petrolíferos do Oriente Médio e sente que é indispensável apoiar Israel, ponto de partida provável das futuras tropas  americanas para proteger  suas fontes petrolíferas. Nem tampouco posso pensar futuramente em apoiar o Sr Barak Obama, porque embora  totalmente contrário  aos desígnios “imperialistas “ dos Estados Unidos ,ele sabe que não vai ameaçar sua nova presidência, com uma política saudável para aquela região conturbada do Oriente Médio.  A Rússia vê os Estados Unidos com alarme. Os  muçulmanos  detestam o cristianismo e o sentimento é recíproco. Enfim, o que fazer? Resposta: Imitar Roma, quando após a vitória sobre os cartagineses, mandou por sal em todas as terras do antigo império africano.... Alguém sabe de um jeito melhor para acabar com o fanatismo religioso?

 

Informações sobre o autor:

 

Nascido no Brasil, o jornalista Mário Giudicelli é professor em Sociobiologia (a ciência do comportameno – Universidade de Connecticut, 1973), tendo trabalhado por mais de 20 anos na Drug Enforcement Administration, a Agência Federal dos Estados Unidos de Controle e Policiamento de Drogas. Funcionário da Casa Branca, durante 12 anos, foi tratudor simultâneo dos Presidentes George Bush (pai) e Ronald Reagan. Entrevitou inúmeras celebridades como os artistas Kirk Douglas, Clint Eastwood, John Wayne, o diretor Alfred Hitchcock, a atriz Jane Fonda e vários outros; o Presidente do Brasil ( Arthur Costa e Silva), inúmeros deputados, senadores, jornalistas, cientistas de vários países da América Latina; o General Perón (em 1947), Che Guevara, Fidel Castro, Raul Castro, Jânio Quadros, Ludwig Erhart da Alemanha Ocidental, Gamal Abdel Nasser, Presidente do Egito, de quem foi tradutor simultâneo, durante cinco anos. Foi locutor da Rádio do Cairo ( entre 1957 e 1962 ) e da Voz da America ( entre 1973 e 1974). Tornou-se amigo do cientista alemão Werner Von Braun com quem gravou uma das mais interessantes entrevistas sobre o destino da humanidade (a entrevista com o Dr, Von Braun está disponível para que desejar uma cópia ). Giudicelli foi correspondente de guerra no Terceiro Exército do General George Patton, entre dezembro de 1945 e maio de 1946, foi correspondente no Tribunal de Guerra em Nuremberg durante um ano e meio, sendo o único jornalista ainda vivo que esteve presente em todo o julgamento dos criminosos nazistas.


 


 
 
Home | Produtos | A empresa | Dúvidas | Mapa do site | Contato
© 2008, C.A.L.M. INTERNATIONAL - Todos os direitos reservados
Conheça nossos outros sites!!!
Remédios | Suplementos e Vitaminas | Vitamed | Para alérgicos

Alergia | Cancer | Cardiologia | Clinica Medica | Dermatologia | Doenca Infecto Contagiosas | Endocrinologia | Gastroenterologia | Ginecologia e Obstetricia |
Neurologia | Nutrologia e Medicina Ortomolecular | Oftalmologia | Oncologia | Ortopedia | otorrinolaringologia | Pediatria | Perguntas Frequentes | Pneumologia |
Reumatologia | Seguranca na Internet | Sociobiologia | Urologia |